Como será a Semana Santa na Arquidiocese de Brasília

| SEMANA SANTA NA ARQUIDIOCESE DE BRASÍLIA

Continuam em vigor na Arquidiocese de Brasília as normas e orientações pastorais para a
prevenção do coronavírus (Covid-19) divulgadas no dia 19 de março, seguindo as orientações e
deliberações das autoridades competentes.

Portanto, continuam suspensas as missas presenciais e demais celebrações litúrgicas na
Arquidiocese de Brasília. A retomada das celebrações litúrgicas presenciais dependerá da evolução
do cenário da pandemia, devendo ser oportunamente comunicada. Infelizmente, no momento, não é
possível prever essa data. Por isso, reafirmamos a importância de continuar a dar a assistência
espiritual aos paroquianos, seguindo as orientações sobre os cuidados a serem adotados para evitar a
propagação do coronavírus.

Na Semana Santa, as igrejas continuarão abertas para a oração pessoal, mas não se deve
favorecer a aglomeração dos fiéis. Os fiéis sejam incentivados a permanecerem em oração, em suas
casas, através das missas transmitidas pelos meios de comunicação (rádio, TVs, redes sociais), bem
como, da leitura orante da Bíblia, do rosário de Nossa Senhora e da Via Sacra, dentre outras formas
de oração. Na Semana Santa, de modo especial, torna-se ainda mais importante a transmissão das
celebrações por redes sociais ou outros meios. O atendimento das confissões e a assistência aos
enfermos necessitam ser organizados de tal modo a preservar a saúde dos sacerdotes e dos fiéis, mas
não estão cancelados.

A Páscoa não pode ser transferida. Por isso, apesar das restrições em vigor, vamos procurar
celebrá-la do melhor modo possível. Considerando o disposto no Decreto da Congregação para o
Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos (N. 154/20) e as indicações da Conferência Nacional
dos Bispos do Brasil, no contexto da pandemia de Covid-19, apresentamos as seguintes orientações
pastorais para a Semana Santa.

1. DOMINGO DE RAMOS
Para a celebração do Domingo de Ramos, “nas igrejas paroquiais e em outros lugares” seja adotada
a terceira forma prevista pelo Missal Romano. Portanto, não há a benção e a procissão de ramos.
A coleta para a Campanha da Fraternidade não ocorrerá, como de costume, no Domingo de Ramos;
será transferida para uma data a ser oportunamente divulgada.

2. MISSA DO CRISMA
A Missa do Crisma, com a benção dos Santos Óleos, a consagração do óleo do Crisma e a renovação
das promessas sacerdotais, na Arquidiocese de Brasília, não será celebrada, como de costume, na
manhã da Quinta-feira Santa. Está sendo transferida para outra data, tão logo seja possível reunir
novamente grande número de pessoas. Os santos óleos abençoados, no ano passado, continuarão a
ser utilizados até a celebração da Missa do Crisma, cuja data será oportunamente divulgada.

3. QUINTA-FEIRA SANTA
“O Lava-Pés, já opcional, é omitido. No final da Missa na Ceia do Senhor, a procissão também é
omitida e o Santíssimo Sacramento é mantido no tabernáculo”.

4. SEXTA-FEIRA SANTA
Na Celebração da Paixão do Senhor, às 15 h, na Oração Universal deve ser acrescentada uma prece
especial “pelos que padecem a pandemia do Covid-19”. Esta prece formulada pela Conferência
Episcopal encontra-se, em anexo.

A coleta para os Lugares Santos será transferida para uma data a ser oportunamente divulgada.

5. VIGÍLIA DA PÁSCOA
No início da Vigília Pascal (Celebração da Luz), “omite-se o acender do fogo; acende-se o círio e,
omitindo a procissão, segue-se o precônio pascal (Exsultet)”. Na Liturgia Batismal não serão
celebrados batismos; permanecerá apenas a renovação das promessas batismais. A Liturgia da
Palavra e a Liturgia Eucarística sejam realizadas, como de costume, conforme o Missal Romano.
Esclarecemos que está suspensa a impressão do folheto litúrgico O Povo de Deus, da Arquidiocese
de Brasília. Contudo, o texto estará disponível no site da Arquidiocese de Brasília para os que
desejarem. Durante o período de suspensão da distribuição do folheto litúrgico, encontra-se
suspenso o respectivo pagamento dos folhetos pelas paróquias.

Agradeço a compreensão e os esforços de todos, neste tempo de sofrimento. Procuremos viver
santamente a Semana que traz no seu nome o apelo à santidade. A precaução com a transmissão do
coronavírus jamais nos leve a descuidar da caridade para com os doentes, os pobres e as pessoas em
maior situação de vulnerabilidade social. Há muitas famílias pobres necessitadas de solidariedade e
partilha. Necessitamos olhar, com especial atenção, para os irmãos que se encontram enfermos e
pelos mais pobres. Permaneçamos unidos, em oração, sendo mais solidários, especialmente com
aqueles que mais sofrem as consequências da pandemia. Apesar das limitações pastorais em vigor,
celebremos a Páscoa, de coração, com a esperança e a paz do Senhor Ressuscitado. Sejamos
testemunhas da esperança ancorada na fé em Cristo!

Brasília, 27 de março de 2020.
Cardeal D. Sergio da Rocha
Administrador da Arquidiocese de Brasília

Newsletter Sign Up